Veja cinco perfis que dão vexame na festa de fim de ano da empresa. Corporate Party Zombies




Do UOL, em São Paulo 06/12/201306h00

A tradicional "festa da firma" é realizada, no mês de dezembro, pela maioria das empresas para confraternizar e promover a integração dos funcionários. "É uma oportunidade para conhecer um pouco o lado pessoal e divertido das pessoas com quem você trabalha", afirma a consultora e coach de carreira Waleska Farias.

Veja Álbum de fotos
Porém, alguns funcionários insistem em fazer do evento um momento de revelações bombásticas e, de acordo com a especialista, não se dão conta de que estar na festa é o mesmo que estar na empresa.

"Apesar de as pessoas estarem vestindo trajes informais e agindo de forma mais descontraída, o chefe continua sendo chefe. Por isso, a principal recomendação é uma dose extra de bom senso para não ficar em maus lençóis e acabar no olho da rua."

Para Mariana Almeida, gerente de RH da Mega Sistemas Corporativos, empresa de TI, o clima informal da festa de final de ano leva as pessoas a se comportarem de maneira mais extravagante e sem medir as consequências. "É importante lembrar que você estará sendo observado", diz.


Perfis que dão vexame
Waleska alerta que é preciso tomar cuidado para não incorporar um dos cinco estereótipos de quem "perde a linha" na festa de final de ano da empresa e dá vexame. Conheça os perfis e veja as dicas da consultora para evitar constrangimentos:

O bêbado
Exagerar na bebida pega mal em qualquer ambiente, mas na festa da empresa é completamente condenável. Além de ser deselegante, a pessoa ainda corre o risco desabafar falando mal do chefe, de outros funcionários ou da empresa.

A periguete
Confunde o "dress code" casual com roupa de balada, sexy e muitas vezes vulgar. Evite roupas muito curtas, decotadas e saltos muito altos. Fazer duetos agarrada ao pescoço do amigo, dançar funk até o chão e lançar olhares sensuais para o gerente é completamente vetado. A dica vale para mulheres e homens.

O íntimo
É preciso tomar cuidado com a intimidade excessiva, especialmente depois de alguns drinks. A linha entre brincadeira e inconveniência é bastante tênue e aquele que extrapola corre o risco de ficar conhecido como "sem noção" da empresa. Evite tocar demais, falar muito e gesticular além da conta.

O antissocial
A equipe inteira está confraternizando e aquele indivíduo está sentado sozinho na mesa observando os outros sem esboçar o menor interesse em integrar-se. "Uma pessoa distante, indisponível para se relacionar com os colegas, provavelmente terá dificuldade de se trabalhar em equipe", diz a consultora.

O oportunista
Vê a festa como um momento ideal para se aproximar do chefe e pleitear uma promoção. Desanda a falar de todos os seus projetos, de como acredita na empresa... Nesses casos, o tiro sempre acaba saindo pela culatra. "Procure o chefe no ambiente de trabalho ou em momento mais oportuno", afirma Waleska.

Quem dá vexame corre o risco de ser demitido
A coach diz que "já houve casos em que colaboradores foram demitidos na primeira oportunidade devido a suas extravagâncias e excessos na festa da firma."

Segundo o advogado e professor de direito do trabalho, Alan Balaban, o comportamento inadequado de empregados nas comemorações pode resultar em demissão.

"Uma piada ou uma brincadeira não são consideradas graves. Entretanto, se o colaborador partir para agressões verbais e/ou físicas, poderá ser demitido por justa causa", afirma.

Postar um comentário