Quando o cliente diz "chega, não dá mais"




Lidar com clientes pode não ser uma tarefa fácil. Há os que querem receber mais do que dão em contrapartida, que não cumprem com seus compromissos quando são devidos, que buscam demasiadamente por atenção, que desaparecem por completo, que barganham o tempo todo, que questionam tudo ou que não sabem o que quer. Mas isso é a exceção, não a regra, clientes quando bem atendidos propiciam excelentes resultados para as organizações e essas deveriam fazer o mesmo por eles. É preciso encontrar e oferecer o que os clientes buscam considerando:

Proposição de valor. Promessa implícita de entregar uma combinação de valores
Modelo operacional movido a valor. Processos, sistemas, infraestrutura e cultura que permitem cumprir a proposição de valor
Disciplinas de valor. Combinação de modelos e proposições de valor para se destacar no mercado
Quando gestores são indagados pelo motivo de os clientes abandonarem seus produtos e serviços, normalmente apontam algum problema ocorrido recentemente. Também indicam alguma oferta promocional do concorrente que realmente pode ter ocorrido. As equipes, por sua vez, dizem que foram treinadas para realizar tarefas e não para construir relacionamentos com clientes levando cuidadosamente em consideração o que dizem.

Relacionamentos são baseados em confiança que se constrói com o tempo. Começam com os primeiros contatos, depois são colocados à prova e decisões são tomadas se devem se manter ou terminar

Tipicamente, a desilusão dos clientes advém de um longo período de erosão da confiança resultante de interações ruins com os interlocutores da organização e com seus produtos ou serviços. A experiência negativa e o ressentimento se acumulam até o ponto que o cliente diz "chega, não dá mais". Nesse momento, as organizações tentam várias estratégias para evitar a deserção, em especial ofertar descontos que até podem reverter a decisão momentânea do cliente, mas que se tornam ineficazes e caras no longo prazo – toda vez que ocorrer algo errado o cliente irá esperar por incentivos. O maior problema não é somente se perder um cliente, mas provavelmente perdê-lo para sempre. Experiências negativas levam à formação de traumas que quando se instalam são difíceis de remover.

Os clientes poderão ter uma excelente experiência em um hotel econômico ou em um hotel cinco estrelas, tudo depende da expectativa que é criada e como ela é atendida

Então, tudo é uma questão de se gerenciar expectativas. Matt Watkinson relata em seu livro "Ten Principles behind Great Customer Experiences" que expectativas são críticas porque estão conectadas à forma como o cérebro funciona. Os neurônios dopaminérgicos responsáveis por regular as emoções geram padrões com base na experiência e ativam emoções de acordo com a previsão. Quando tudo corre conforme previsto, esses neurônios geram sensações que promovem bem-estar e motivação positiva do comportamento, caso contrário promovem depressão. O cérebro é projetado para acentuar o impacto dos erros a fim de aprender com eles e ampliar as chances de sobrevivência. Quando algo esperado não ocorre, o cérebro foca atenção.

As organizações economizariam recursos e melhorariam seu desempenho se não prometessem o que não podem entregar e mostrassem com clareza aos clientes o que estão vendendo e como poderiam fazer bom uso.

© José Davi Furlan

0 Depoimentos:

1 em cada 4 brasileiros desconhece que paga impostos, aponta pesquisa. (Sociedade Zombie)


Em pesquisa realizada pela Fecomercio RJ/Ipos, entre 17 e 31 de maio,
24,5% da população ainda desconhece completamente pagar impostos
por Spotniks 14 de agosto de 2014

Segundo análise divulgada nesta quinta-feira (14/08), em pesquisa nacional
sobre o impacto de tarifas e tributos no país realizada pela Fecomércio RJ/Ipos ,
24,5% da população ainda desconhece completamente o fato de que pagam
impostos. A pesquisa foi realizada entre 17 e 31 de maio,  com mil
pessoas, em 70 cidades do país, incluindo 9 regiões metropolitanas.

Dos entrevistados, 73,9% afirmaram reconhecer o impacto da tributação. Deste
total, 69,2% asseguraram pagar impostos municipais, como IPTU, taxas de
iluminação e lixo, 35,1% reconheceram impostos estaduais, como o IPVA e
55,3% afirmaram saber que pagam impostos indiretos sobre produtos e
serviços. Dos brasileiros que disseram ter alguma despesa com tributos,
92,4% informaram pagar impostos sobre a compra de alimentos, seguidos de
92,1% na energia, 90,7% no vestuário e 89,9% na telefonia. Na compra de
combustível, o número chegou a 85,6%; foram 88,6% nos produtos de
saúde, 89% nos serviços bancários e habitação, e 89,1% em higiene.

Segundo a pesquisa, os homens superam as mulheres em termos de consciência de
impostos: 75,8% deles afirmaram ter ciência da tributação, contra 72,2%
das mulheres.
Apesar do
número ainda alto de brasileiro que desconhecem pagar impostos, esta é a
maior parcela de esclarecidos desde que a pesquisa começou a ser
realizada pela instituição, em 2007.

0 Depoimentos:

Renúncia: a prática de políticos corruptos invade o mundo corporativo. (Nova Técnica Corporate Zombie)



A recente notícia de que dois executivos de uma importante empresa lusitana renunciaram depois que mais de €$ 800 milhões foram “desviados” do caixa para socorrer um importante acionista quebrado soa familiar para nós brasileiros. Nada de processo, sequer inabilitação. Como bem diz o ditado: tudo continua como dantes no quartel D’ Abrantes. Lavou, tá limpinho.... Se fosse em um país sério ao invés de passear em Trás-os-Montes esses gajos passariam uma longa temporada atrás das grades.

Isso porque aqui, nas terras de além mar, a prática de renunciar é comum quando um político corrupto é flagrado em transações “não republicanas”. Além do tradicional “eu não sabia de nada”, vale renunciar para o processo voltar para a 1ª instância judicial e assim buscar a prescrição dos crimes pela demora no julgamento, como recentemente o fez certo Senador mineiro.

No caso da terrinha, o diretor financeiro afirma que não foi ouvido (vide jornal Valor de 14/8), donde concluímos que a transferência dos recursos deve ter sido assinada pelo estagiário Manoel ou pelo office boy Joaquim, ambos recém contratados na famosa empresa de telecomunicações.

E o “mercado”, que fica revoltadinho e tanto reclama dos políticos, aceita candidamente esse tipo de comportamento no meio corporativo. Afinal, só existe corrupto porque existe uma empresa corruptora, sendo que algumas dessas empresas chegam até a receber prêmios nos nossos congressos de governança (e tinha que ser uma construtora para ter estilo).

Continuo fã da cultura japonesa, onde executivos e políticos adotam medidas radicais quando são pegos com a boca na botija, pois sabem que representam uma vergonha para suas famílias. Brasília, Lisboa e Belo Horizonte ficariam mais limpas...

0 Depoimentos:

Como parar de ficar remoendo pensamentos




Quando estamos enfrentando uma crise, ou se temos que tomar uma grande decisão, muitos de nós caímos na armadilha de cismar. Você fica atolado em um círculo de pensamentos sem parar e sem gerar qualquer resultado. É um tipo de pensamento que não faz nada a não ser perpetuar sua existência.

Nós temos esse sentimento auto induzido de que se permanecermos pensando em alguma coisa tempo suficiente (geralmente constantemente), então chegaremos eventualmente à resposta correta. Tudo que temos que fazer é pensar por tempo o bastante e BOOM! A divina inspiração aparece.

Como você pode impedir você mesmo de ficar remoendo os assuntos?

Se distraia

Encontre uma atividade, como malhar ou trabalhar com as mãos de forma a requerer tanta atenção que seu cérebro é forçado a ser distrair e parar de cismar. Trabalhar com as mãos é especialmente eficiente, por que exige tanto de sua habilidade motora quanto seu processo mental. Seu cérebro simplesmente não terá como se dividir em uma terceira tarefa, que neste caso é remoer o assunto.

Outras atividades recomendadas são aquelas que te fazem se sentir curioso, orgulhoso, divertido ou desafiado. Quando você está se sentindo bem é forçado a esticar um pouco a tensão além daquilo que você fez no passado, você estará fazendo seu cérebro trabalhar por você. Ou tente assistir a um filme de suspense. Estudos revelaram que quando alguém é forçado a ver algum suspense, o cérebro é forçado a permanecer no presente uma vez que todos os sentidos estão completamente engajados. Você literalmente não tem tempo para se preocupar com o futuro já que sua mente está focada em simular o presente para você.

A técnica de PARAR

Um terapeuta uma vez me disse que dava elásticos para seus pacientes para colocar em seus pulsos. Assim que a roda de pensamentos começava a girar, eles deveriam estalar o elástico em seus pulsos para fazê-la parar. Imediatamente.

Outra forma eficiente de usar a técnica de PARAR é dizer a palavra “PARE” em voz alta, ou, se você está em um lugar público e não quer causar uma cena, imagine uma grande placa de “PARE” bem em frente a você. Qualquer coisa que traga a sua atenção imediatamente para o que você está fazendo no momento irá parar os pensamentos repetitivos.

Puxe o gatilho

Se você está em uma situação que você sabe que precisa agir, e quer agir, mas está preso pelo medo, dê os primeiros passos. Mesmo que seja um passo de criança.

O constante desejar, esperar e rezar não o gera qualquer movimento, tão pouco alívio. Isso apenas o manterá atolado naquele círculo. Mas dar o menor passo vai tira-lo da esteira que não leva a lugar algum, não importando se este passo é bom ou ruim. Ele ainda colocará as coisas em movimento e isto irá te tirar do sentimento de animação suspensa que o ato ficar remoendo gera. Você começará a se sentir como uma bola de neve, gerando mais velocidade conforme você segue em frente.

Evite as armadilhas de cismar

Se você é do tipo de pessoa que tem obsessão por dinheiro, evite ficar constantemente verificando sua conta bancária. Se um de seus colegas de trabalho é tão negativo que te puxa para baixo, comece a almoçar em um restaurante próximo para evitar ficar muito tempo com ela.

As armadilhas são coisas que fazem seu subconsciente reagir sem que você perceba que existe uma conexão entre as duas coisas. Você se sente mal quando estar perto de seu colega mas você não consegue saber por que.

É claro que é bom fazer algum tipo de autoexame e tentar encontrar alguma ideia que irá solucionar o problema, mas em algum momento, iremos atingir o ponto de diminuição dos resultados. Estaremos gastando tempo valioso fazendo alguma coisa que não irá gerar resultados além de gerar mais ansiedade ou miséria.



Você pode ser melhor todos os dias. Basta acreditar em você e usar coisas simples para ter uma atitude mais positiva.

Eu acredito em você!

Forte Abraço,

André Cruz

0 Depoimentos:

Quanto dinheiro é necessário para ser feliz após parar de trabalhar?



Por Mark Miller | Da Reuters, de Nova York

Pode ser verdade que o dinheiro não pode comprar amor, mas será que ele pode comprar felicidade na aposentadoria? Muitas pessoas diriam que pode, mas o especialista em planejamento financeiro Wes Moss quis os detalhes: Quanto dinheiro, exatamente, é necessário para se aposentar feliz? Existe relação entre felicidade e o tamanho do pé-de-meia do aposentado?

Moss consultou 1.350 aposentados sobre patrimônio líquido e renda, ativos e casa própria. Mas não procurava a quantia em dólares necessária para viver - queria, em vez disso, entender qual a correlação do dinheiro com os níveis de felicidade dos aposentados. Para isso, fez uma série de perguntas detalhadas sobre a vida deles: onde faziam compras, que tipo de carro dirigiam, quantas vezes tiravam férias por ano, como era sua vida familiar e quais atividades eles realizavam. Depois associou os níveis de felicidade relatados à condição financeira dos entrevistados.
Descobriu que a maioria das pessoas pode ser feliz após sair do mercado de trabalho com economias de cerca de US$ 500 mil. Uma cifra maior pode comprar mais felicidade, mas apenas até certo ponto, concluiu.

"Há um efeito de estabilização acima desse número, e quanto mais alto se vai, mais baixa fica a taxa de aumento [de satisfação]", diz Moss. "Chamo isso de felicidade marginal declinante."
Moss, sócio-executivo e estrategista-chefe de investimentos da consultoria Capital Investment Advisors, de Atlanta, explora a correlação entre patrimônio e felicidade na aposentadoria em seu novo livro "You Can Retire Sooner Than You Think: The 5 Money Secrets of the Happiest Retirees" (McGraw-Hill, June 2014). Moss é um assessor de investimento credenciado que trabalhou anteriormente numa grande empresa de Wall Street.

Os cinco segredos apontados no livro são uma cuidadosa definição das coisas com as quais você de fato quer gastar dinheiro quando aposentado, e de como você economizaria para cumprir as metas. Além disso, o roteiro aponta também para fatores como quitar seu crédito imobiliário antecipadamente, desenvolver várias fontes de renda e aprender a investir para consolidar renda. A seguir, trechos da entrevista realizada com Moss sobre suas descobertas.

Quem são os aposentados felizes, e o que os faz felizes?
Wess Moss:  Não se trata de quanto você economiza, mas de quanto economiza em relação às suas necessidades. Quando trabalhei em Wall Street, o que sempre tentávamos trabalhar com os clientes era a expectativa de que eles precisariam gastar cada vez mais - você precisa de uma quantidade infinita, porque como aposentado você precisará gastar o mesmo que gasta hoje ou mais. É isso que o setor de fundos mútuos e Wall Street pregam.

Mas descobrimos que, para a maioria das pessoas, o grau de felicidade se correlaciona com uma economia mediana de cerca de US$ 500 mil. Há alguns aumentos acima desse número, mas é uma taxa mais desacelerada de aumentos progressivos. Assim, pense em US$ 500 mil como o mínimo financeiro básico.
Os aposentados felizes fazem ajustes em seus gastos com o objetivo de ficar tranquilos?
Moss:  Os dados do levantamento não me revelam isso. Mas minha experiência na vida real com os clientes sugere que as pessoas avaliam realisticamente qual renda terão na aposentadoria - talvez elas tenham US$ 2 mil ou US$ 3 mil de renda da Previdência Social, e possam tirar mais US$ 3 mil mensais com seus investimentos. Elas examinam isso e concluem que podem viver bem com US$ 6 mil ao mês.
O que efetivamente causa a infelicidade dos aposentados - e como as pessoas podem evitar chegar nessa situação?

Moss:  Muitos dos aposentados infelizes ainda estão pagando crédito imobiliário, sem qualquer luz no fim do túnel. Outra coisa que vejo muito são pessoas que não se preocupam em fazer os grandes gastos antes da aposentadoria - elas deixam para reformar a cozinha, por exemplo, quando param de trabalhar, porque acham que aí terão tempo para acompanhar isso. Mas é melhor fazer esse tipo de coisa quando se está no mercado.
Outro problema ocorre com as pessoas que não têm suficientes atividades básicas quando se aposentam. Elas eram fechadas e viviam concentradas demais em ganhar dinheiro e trabalhar, e agora não têm a intensidade de ocupações necessária. São indivíduos que são pegos de surpresa pelo tempo livre.
Ouvi ambos os lados da discussão sobre crédito imobiliário na aposentadoria. Alguns argumentam que é melhor investir esse dinheiro do que empregá-lo para quitar integralmente um crédito imobiliário. Tudo indica que você está firmemente convencido de que é melhor se livrar dele.

Moss:  Se você tem recursos numa conta tributável, prefiro ver um cliente usar esse dinheiro para quitar totalmente, de uma só vez, o crédito imobiliário - ou simplesmente para acelerar seus pagamentos mensais em US$ 200 a US$ 400, valores capazes de eliminar todo um período de dez anos de um crédito imobiliário. Sei que as pessoas vão argumentar que conseguirão obter um retorno mais alto se aplicarem esse dinheiro em ações, mas vi na minha carreira muitos períodos em que a bolsa nada mais fez que entrar em colapso, para depois se recuperar. A maioria dos americanos não consegue esse retorno médio de 9% da bolsa ao longo do tempo, portanto uma aposta mais segura é economizar esses 4% ou 5% garantidos que são o custo de um contrato de crédito imobiliário. Além disso, com clientes mais velhos, o que vejo é um enorme nível de satisfação entre pessoas que descobriram como se livrar de seus créditos imobiliários.
Seu livro apresenta um modelo para se aposentar cedo - ou mais cedo do que a pessoa achava que poderia. Isso vai contra boa parte do que ouvimos falar hoje sobre longevidade e a necessidade de todo mundo trabalhar por mais tempo. Por que você acha que as pessoas podem se aposentar antes que o planejado - e como você define a palavra "cedo"?

Moss:  Eu defino essa ideia como a possibilidade de se reunir as condições para se aposentar aos 60 ou 62 anos. E existe um grupo de pessoas que, de fato, tem as condições financeiras para se aposentar, mas a ideia soa estranha e elas não têm pleno entendimento das suas finanças.
Tive muitas reuniões com clientes, com casais em que um dos cônjuges acha que eles podem se aposentar e o outro acha que não. Mas, quando você soma todas as suas diferentes contas, você vê que eles têm US$ 750 mil, junto com pensões e Previdência Social. São pessoas que, sem dúvida, podem se aposentar, se quiserem.  (Tradução de Rachel Warszawski)

0 Depoimentos:

No Brasil, tudo desconta




08/05/2014 by:  valdenor in:  Direito , Internacional , Política 2 Comments
Por Lorena Barros

No meio de abril fui realocada para o setor de migração da Agência do Trabalhador de Curitiba. Praticamente, só atendi haitianos (com as devidas lembranças pro pessoal do Congo, Senegal, Peru, Chile, Síria e Nigéria).
Os haitianos têm preferência por trabalhar na indústria e na construção civil. Eu lia pra eles o salário: “- é 915,00″ (se na indústria) ou “- é 979,00″ (se na construção civil). Aí se seguem duas perguntas “tem carton bis?” e “tem carton alimantaçon?”.

Bom, na maioria, tem o vale transporte (carton bis). E aí vem a terceira pergunta: “tem desconto?”.
Me acostumei a falar pros haitianos que, no Brasil, tudo desconta. O carton bis vai descontar do salário, tem desconto de PIS, FGTS, INSS, que deixam um de salário de R$ 900,00 só um valor de R$ 700,00.
E foi repetindo isso todo dia pros haitianos que eu percebi o quanto nós estamos acostumados com desconto que não tem retorno nenhum. Quando se atende um brasileiro, nenhum de nós se revolta com os descontos, nós já incorporamos isso.

O haitiano, não: “eu pago aluguel muito caro, eu mando dinheiro pro Haiti, eu trabalho em dois empregos, o Brasil é tudo caro, eu não quero desconto!”

Atendimento aos haitianos é muito difícil pelo choque cultural. Tem a diferença de língua, claro. Além disso, eles muito raramente aceitam trabalhos com salário baixo, porque dizem que o salário precisa ser alto pra, no mínimo, compensar os descontos, e também precisa ter algum benefício, como vale transporte e ticket alimentação. Meus colegas falam que eles querem ganhar mais que os brasileiros. Mas eu já entendi, eles estão certos; nós é que estamos malucos.
A classe média consegue conviver relativamente bem com um pacote de descontos que leva embora parte da qualidade de vida. Mas, ok, nós já temos uma vida boa. Agora o migrante, a classe C, D e E do Brasil, como banca esses descontos?
A lição que eu tiro é que, sim, a classe média tem que se revoltar com a quantidade de impostos que recai sobre ela. Mas, acima de todas as classes, quem ganha pouco é quem sofre mais.
Se houver alguma mudança com relação à redução de impostos no Brasil, acho que ela só vai vir quando as pessoas pobres se revoltarem.

0 Depoimentos:

Investigação de lavagem de dinheiro ligada à Petrobras se estende a bancos. Sempre os Corporate Zombies...




Documentos judiciais citam unidades de bancos como Citigroup Inc., Banco Santander e HSBC Holdings Plc, assim como Itaú Unibanco Holding e Banco Bradesco
Por Bloomberg


A investigação sobre uma lavagem de dinheiro de US$ 4,4 bilhões na Petrobras ( PETR3 ; PETR4 ) está sendo estendida a instituições financeiras.
O Ministério Público Federal apura se foram cumpridos os requisitos de conformidade.
Documentos judiciais citam unidades de bancos como Citigroup Inc., com sede em Nova York, Banco Santander SA ( SANB11 ), com sede em Madri, e HSBC Holdings Plc, com sede em Londres, assim como Itaú Unibanco Holding SA ( ITUB4 ), com sede em São Paulo, e Banco Bradesco SA ( BBDC3 ; BBDC4 ), com sede em Osasco, por manterem contas ou executarem operações ligadas à suposta lavagem de R$ 10 bilhões.
Os bancos preferiram não comentar ou disseram que cumpriram os requisitos de conformidade (compliance).
Os procuradores estão analisando documentos bancários fornecidos pela polícia e pelo Banco Central, disse o procurador da República, Carlos Fernando Lima, porta-voz de um grupo de seis procuradores designados para o caso.
Ele preferiu não dar os nomes dos bancos porque o grupo não iniciou uma acusação formal e porque ainda não está claro se houve alguma irregularidade.

"As instituições têm uma responsabilidade civil por todos os seus clientes", disse Lima, em entrevista em Curitiba, onde o caso é analisado por um juiz.
"Minha experiência diz que normalmente não há uma grande operação de lavagem de dinheiro sem alguém de uma instituição financeira por trás. Trata-se de algo muito grande para passar despercebido".
A divisão de refino da Petrobras, maior produtora em águas ultraprofundas, já está sob a investigação de uma comissão parlamentar devido a gastos descontrolados, o que inclui supostos contratos inflados com fornecedores, e é citada como uma das possíveis fontes do dinheiro que está sendo lavado no caso, chamado de "Lava Jato" pela polícia.

Proteção de privacidade
A Petrobras não respondeu aos pedidos enviados por e-mail para comentar o caso.
Unidades dos bancos Citigroup, Santander, HSBC, Bradesco e Itaú, bem como corretoras, criaram contas ou transferiram dinheiro, ou fizeram ambas as coisas, para supostas empresas de fachada citadas na investigação, segundo documentos judiciais que compilam resultados de uma investigação policial, registros bancários, gravações e conclusões iniciais dos procuradores designados para o caso. Os documentos citam agências específicas no Brasil e no exterior e números de contas específicos.
O Ministério Público está "enfrentando algumas dificuldades" para conseguir a cooperação dos bancos, disse Lima. "Eles não estão entregando os dados com a velocidade e o detalhamento exigidos".
A Justiça cancelou as proteções de privacidade para as informações bancárias relacionadas ao caso e o Ministério Público buscou, por repetidas vezes, a cooperação dos bancos e das corretoras, disse ele.

Doleiros
Os US$ 4,4 bilhões dessa suposta lavagem incluem dinheiro de brasileiros que buscam driblar a Receita Federal, receitas do tráfico de drogas e dinheiro supostamente desviado de contratos da Petrobras, segundo comunicados da polícia e documentos judiciais.
Os doleiros normalmente recebem dinheiro de clientes no Brasil e realizam depósitos no exterior a partir de contas aparentemente não relacionadas mediante uma tarifa, permitindo que os clientes enviem dinheiro para fora do Brasil sem alertar o Fisco. No esquema Lava Jato, os doleiros ou seus cúmplices supostamente estabelecem empresas de fachada de importação e exportação para movimentar volumes maiores de dinheiro, segundo documentos judiciais.

Em resposta enviada por e-mail o Citigroup preferiu não comentar o assunto. O Itaú disse que cumpre os requisitos de conformidade estabelecidos e que irá colaborar com as investigações. O HSBC disse que segue os mais altos padrões de conformidade e que colabora com as autoridades sempre que solicitado. O Bradesco disse que reporta rapidamente qualquer operação suspeita às autoridades. O Santander disse que sempre colabora com as autoridades no Brasil. Todos os bancos disseram que as regras de privacidade os impedem de divulgar ao público informações a respeito de clientes específicos.

Top 10
Essas instituições estão no top 10 dos maiores bancos não estatais do Brasil em ativos, segundo o site do Banco Central desde março de 2014. Elas representam 38 por cento do total de ativos do sistema financeiro do Brasil.

A Pioneer Corretora de Câmbio, uma das maiores corretoras do Brasil, disse que todas as suas transações citadas no caso seguiram as regulações do Banco Central.
Os procuradores estão tentando identificar funcionários dos bancos que possam ter colaborado com o suposto esquema e buscarão a colaboração dos países para onde o dinheiro foi enviado, disse Lima.
Os investigadores identificaram três grupos de instituições financeiras supostamente envolvidas: bancos brasileiros que mantêm contas de doleiros, corretoras e bancos que executam operações de câmbio supostamente baseadas em falsas transações de importação e bancos internacionais que mantêm contas no exterior supostamente para empresas de exportação de fachada.

'Fase preliminar'
Em junho, as autoridades suíças bloquearam voluntariamente US$ 28 milhões em contas com os nomes do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, ou de seus supostos cúmplices. Ele é acusado de ser uma ligação entre a Petrobras e uma suposta organização de lavagem de dinheiro liderada por Alberto Youssef, que está preso em Curitiba.
A defesa de Youssef entrou com pedido para que ele seja posto em liberdade enquanto o caso está em andamento e nega as acusações, disse seu advogado, Antonio Augusto Figueiredo Basto, em entrevista por telefone, de Curitiba. Youssef ainda não pode apelar porque o caso "está em uma fase preliminar", disse Basto.

O advogado de Paulo Roberto Costa, Nélio Machado, não respondeu aos e-mails e telefonemas em busca de comentário. Machado negou repetidamente as acusações contra seu cliente e disse, em comentários publicados pela imprensa, que irá apelar.
Youssef e seu grupo supostamente desviaram pelo menos US$ 445 milhões entre junho de 2011 e março de 2014 por meio de 3.649 operações que incluíram fundos da refinaria Abreu e Lima, da Petrobras, segundo um processo criminal com data de 22 de abril que os procuradores apresentaram ao tribunal. Youssef está prestando depoimento à Justiça no período em que se encontra preso, disse Basto.

Coleta de depoimentos
A polícia anunciou a investigação em março após apreender ativos que englobavam R$ 6 milhões em dinheiro, três hotéis e 25 carros de luxo, incluindo um Land Rover que Youssef comprou para Costa, segundo comunicados da polícia. Costa disse aos investigadores que o carro foi usado como pagamento por serviços de consultoria e que ele não fez nada errado.
Mais de 40 pessoas foram indiciadas em 10 processos separados desde então. Youssef está incluído em cinco deles e Costa, em dois. A Justiça ainda está reunindo depoimentos das testemunhas antes de emitir qualquer conclusão a respeito de condenações ou absolvições, disse a assessoria de imprensa do tribunal em respostas por e-mail.

O Brasil perde entre 1,4 por cento e 2,3 por cento do produto interno bruto anual com a corrupção, segundo um estudo de 2010 da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, a Fiesp. A maior economia da América Latina está classificada em 133º lugar, dentre 148 países, em desvios de fundos públicos pela corrupção no Relatório de Competitividade Global do Fórum Econômico Mundial.

Remessas ao exterior
A corretora Pioneer aparece em documentos judiciais devido a centenas de transações cambiais para o que os investigadores alegam serem empresas de fachada do esquema de lavagem. O diretor da Pioneer, João Medeiros, negou as irregularidades e disse, em uma entrevista por telefone, que não há evidência de fraude de clientes da Pioneer.
Os bancos e instituições financeiras que não notificam as autoridades a respeito de atividades suspeitas podem estar sujeitos a penalidades administrativas e multas, disse Pierpaolo Bottini, advogado brasileiro autor de um livro sobre lavagem de dinheiro, em entrevista por telefone. Se os funcionários não apenas suspeitam, mas também sabem a respeito de reais atividades ilegais e não notificam as autoridades, os empregados e as instituições financeiras podem ser processados por participação em crimes financeiros, disse ele.
Os procedimentos criminais contra Youssef e Costa com data de abril citaram provas de uma suposta lavagem de dinheiro e de remessas ao exterior sem uma notificação obrigatória às autoridades.

'Contratos superfaturados'
Costa, que chefiou a unidade de refino da Petrobras entre 2004 e 2012, auxiliou a suposta organização de lavagem de dinheiro de Youssef aproveitando-se de seu cargo para obter contratos fraudulentos da Petrobras mesmo depois de ter sido demitido em meio a um remanejamento gerencial mais amplo, alegam os procuradores em uma recomendação de ação penal entregue a um juiz federal.
O juiz Sérgio Moro pediu depoimentos e um maior trabalho investigativo. Os procuradores disseram ter identificado provas de desvios de recursos na Petrobras entre 2009 e 2014. Um dos documentos nos quais os procuradores recomendam uma ação penal cita "contratos superfaturados para empresas que fornecem serviços, direta ou indiretamente, para a Petrobras, com a colaboração e intermediação de Paulo Roberto Costa".

Youssef foi condenado a sete anos de prisão em 2004 por participar no escândalo de lavagem de dinheiro do Banestado. Documentos judiciais dizem que Youssef retornou ao mercado financeiro informal, no qual o dinheiro é movimentado para dentro e para fora do Brasil sem notificação formal às autoridades, com uma atividade maior após uma libertação antecipada por colaborar com investigadores e após prometer ficar longe de atividades financeiras ilegais.
Três dos seis procuradores que trabalham na operação Lava Jato também participaram da investigação do Banestado, incluindo Lima. Além de Youssef, dezenas de pessoas foram condenadas, inclusive gerentes de bancos responsáveis pelas operações cambiais.

0 Depoimentos:

Dez dicas para empresários: técnicas de gerenciamento de tempo. Anti Corporate Zombies.



O tempo é dinheiro quando você está gerenciando seu próprio negócio. Maximize seu dia com nossas dez melhores dicas sobre gerenciamento de tempo.

Não desperdice seu dia de trabalho. Experimente estes segredos de gerenciamento de tempo.

1. Reserve meia hora para planejar o seu dia todas as manhãs. Pode parecer tolo planejar por planejar, mas detalhar as tarefas que você pretende realizar nesse dia e pensar sobre prioridades pode ajudá-lo a assumir a atitude mental correta para cumprir todos os objetivos.

2. Não se esqueça de incluir algum tempo para interrupções. O telefone tocará, e-mails inesperados chegarão. Se você agendar compromisso após compromisso, sem tempo para respirar, você sempre estará atrasado.

3. Aceite que você não pode atender todas as chamadas nem responder todos os e-mails instantaneamente. Se você precisar terminar um projeto, deixe o telefone tocar e desative as mensagens instantâneas. Não caia na tentação de reagir a tudo por hábito. Se algo não precisar de uma resposta sua imediata, naquele preciso momento, então não o faça.

4. Tente estabelecer prazos ao longo do dia para evitar que as tarefas se arrastem. Se você precisar enviar x e-mails até as tantas horas, é menos provável que se distraia por outro projeto. Se necessário, agende estes prazos em seu calendário para  manter-se no prazo.

5. Antes de qualquer reunião ou ligação, reserve alguns minutos para estabelecer aquilo que pretende obter do compromisso. Desta forma, você sabe qual é a forma do sucesso antes de começar. Após o compromisso, reserve alguns minutos para determinar se você atingiu seu objetivo. Isso não só irá torná-lo mais focado durante seu compromisso, mas também o ajudará a se tornar mais eficiente em conseguir mais rapidamente o que você pretende.

6. O “Princípio de Pareto” afirma que 80% de seu sucesso provém de 20% de sua atividade. Tente descobrir quais são esses 20%. Tente organizar seu dia de trabalho para dar prioridade para essas atividades e reserve mais tempo para elas.

7. Os empresários frequentemente têm dificuldades em delegar, preferindo estar presentes em todos os aspectos do seu negócio. Isto não é viável a longo prazo. Aprenda a atribuir a outros tarefas menos importantes ou sirva-se da terceirização quando possível.

8. Agrupe tarefas semelhantes para trabalhar de forma mais eficaz. Se você tiver muitas chamadas para efetuar, pendure um sinal de “não perturbe” e realize-as todas de uma vez.

9. Seja implacável com as reuniões. Estabeleça sempre uma agenda e um horário de encerramento. Não deixe a reunião arrastar-se nem deixe que os participantes se alonguem. O trabalhador médio gasta cerca de 16 horas em reuniões todas as semanas, mas um quarto deste tempo é geralmente desperdiçado.

10. Evite distrações quando precisar se focar. Isto pode significar trabalhar em uma divisão mais sossegada ou colocar fones de ouvido para bloquear o ruído do escritório. Não deixe sites das redes sociais abertos em seu navegador que possam ser uma tentação – a menos que sejam importantes para o seu trabalho.

0 Depoimentos:

5 frases típicas de um chefe fraco e inseguro



POR FLÁVIO AUGUSTO / 14 ABR 2014
Confira as expressões e entenda como lidar com cada um dos perfis apresentados.

1 - “Aqui, quem manda sou eu” 

Essa é clássica e muito presente na vida de uma equipe aos cuidados de um chefe fraco e inseguro. É uma das mais rudimentares formas de auto-afirmação, bradadas por chefes sem moral em busca de intimidar suas equipes a fim de conquistar uma migalha de atenção. Se você tem um chefe desses, só lamento. Tomara que você também não seja tão fraco como ele e escolha viver se sujeitando a levar essa na cara todos os dias. Sugestão: chefes fracos, quando percebem que você não se intimida (mas, ao contrário, respeitosamente, olha em seus olhos durante uma conversa franca), logo desiste de esbravejar e lhe escuta. Em alguns casos, ficará muito clara a fraqueza dele, pois diante do confronto respeitoso, não sabe o que dizer, sua olheira escurece, gagueja, treme e quase baba na gravata.

2 - “Faça o que eu falo, mas não faça o que eu faço”

Essa é uma das principais diferenças entre um chefe e um líder. O líder lidera pelo exemplo, enquanto o chefe acha que só será respeitado e honrado pelo poder hierárquico. Geralmente, chefes assim estão acomodados e odeiam seu trabalho, não são nem um pouco comprometidos com a empresa e logo deverão ser substituído. Caso contrário, representam uma excelente oportunidade para você mostrar seu trabalho e sua competência. Destacar-se com chefes acomodados é bem simples, pois seus resultados logo serão percebidos e esse chefe acomodado sairá de seu caminho.


3 - “Não está satisfeito, a porta de saída fica bem ali”

De novo, é um perfil que aposta que na intimidação conseguirá chicotear a sua equipe para atingir suas metas. No fundo, morre de medo de sua equipe ir embora, pois, se isso acontecer, ficará em maus lençóis com seus superiores. No fundo, é fraco, preguiçoso e usa dessa estratégia medíocre por considerar ser o caminho mais fácil para que ele alcance seus objetivos. Minha sugestão é, mais uma vez, de forma sempre respeitosa, olhar no olho, sem se intimidar, para uma conversa franca. É impressionante como chefes fracos podem ser facilmente liderados por seus subordinados.

4 - “Você não é pago para pensar. Você é pago para fazer o que eu mando”

Esse perfil é geralmente centralizador. Não gosta de novas ideias, porque é inseguro, tem medo de perder seu espaço e preguiça para sair de sua zona de conforto onde domina todos os processos. Talvez esse seja um dos perfis mais danosos para um jovem promissor, pois corta na raiz sua chance de ser mais criativo e o coloca dentro de uma caixa hermeticamente fechada. Minha sugestão é que você procure outra empresa para trabalhar ou então assuma o risco de desenvolver processos diferentes que alcancem maiores resultados e assim ganhe a confiança dele. Mas, de novo, é um risco, pois isso não significa que isso vai agradá-lo e você ainda fica exposto a uma demissão por insubordinação.

5 - “Estou aqui há mais de 10 anos fazendo isso e você vem com novas ideias pra reinventar a roda?”

Esse é o chefe limitado. Ele sequer tem vergonha de dizer que está há 10 anos fazendo a mesma coisa. Essa frase, no entanto, não expressa intimidação. Por isso, ele pode ser mais flexível a ser convencido a implantar seu projeto. Chefes limitados geralmente são muito gente boa. Investir num contato mais próximo a fim de conquistar a sua confiança pode ser a melhor estratégia para introduzir novas práticas sugeridas por você. E ele fará questão de divulgar que a ideia foi sua.

Feliz é aquele que encontra em seu caminho um líder. Alguém que estimula sua criatividade, que antes de tudo dá exemplo e através dele extrai o melhor de sua equipe. O líder entende que sua missão é prover sua equipe de inspiração, visão macro da organização e sabe que não adianta usar de subterfúgios mentirosos para motivar os integrantes de seu time. O líder aplaude a equipe pelas vitórias e assume a responsabilidade pela derrota. Ele tem prazer na vitória de seus alunos e, com isso, alcança maiores resultados para a companhia.

Nunca encontrou um líder em seu caminho? Então seja você esse líder!

0 Depoimentos:

Jogar videogame diariamente faz bem a crianças e adolescentes, diz estudo






Crianças e adolescentes que jogam videogame menos de uma hora por dia, em dias de semana, são "melhor ajustadas" do que as que não jogam videogame, aponta um estudo da Universidade de Oxford, na Inglaterra.

A universidade realizou um estudo com 5 mil jovens entre 10 e 15 anos de idade, onde 75% deles jogam videogame todos os dias. A pesquisa observou como os jovens socializam com seus pares, se eles ajudam outros com frequência e o grau de satisfação deles com suas vidas.

Comparados com outros grupos, os jovens 'gamers' que jogam menos de uma hora por dia sofriam menos com hiperatividade e problemas emocionais, além de informarem estar mais satisfeitos de forma geral.
"Pouco envolvimento [com jogos] foi associado com maior satisfação pessoal, comportamento pro-social e menos exteriorização ou internalização de problemas", explicou o Dr. Andrew Przybylski, que conduziu o estudo. "Esse foi o resultado oposto do encontrado em [jovens com] altos níveis de jogatina".
"Nenhum efeito foi observado em níveis moderados de jogo quando comparados a jovens que não jogam nada".
"Estar envolvido com videogames pode dar uma linguagem em comum para as crianças", disse Pryzbylski ao canal britânico BBC. "E para alguém que não faz parte dessa conversa, isso pode acabar deixando o jovem de fora".

Benefícios dos games
O estudo da Universidade de Oxford é a mais recente pesquisa que aponta os benefícios de jogar videogame. Outros projetos concluíram que os jogos podem aumentar o tamanho do cérebro, afetar a percepção e o comportamento e aprimorar a atividade cerebral.

0 Depoimentos:

17 carreiras que combinam altos salários e pouco estresse




InfoMoney 05/08/2014

SÃO PAULO - É possível não se estressar no seu emprego e ainda ganhar um bom salário no final do mês. Foi o que garantiu o especialista em mercado de trabalho, Laurence Shatkin, ao site norte-americano Business Insider.

Shatkin comparou salários médios e níveis de estresse de 767 carreiras e selecionou as profissões que combinavam as melhores remunerações com os menores níveis de estresse. Confira abaixo a lista:


Carreiras Nível de estresse (0 - 100) Salário médio anual*
*De acordo com o mercado de trabalho norte-americano
Ortodontista 67.0 US$ 196.270
Engenheiro naval 67.0 US$ 94.040
Engenheiro de software 67.0 US$ 106.930
Cientista de alimentos 55.8 US$ 65.340
Astrônomo 62.0 US$ 110.440
Economista 63.3 US$ 101.450 
Cientista político 60.8 US$ 100.900 
Matemático 57.3 US$ 103.310 
Professor de direito 62.8 US$ 122.280 
Atuário 63.8 US$ 107.740
Físico 61.3 US$ 117.040
Optometrista 70.3 US$ 111.640 
Gerente de sistemas 64.3 US$ 132.570 
Diretor de arte 69.0 US$ 96.650 
Estatístico 64.0 US$ 83.310 
Geocientista 62.5 US$ 108.420 
Desenvolvedor de software 65.0 US$ 96.260

0 Depoimentos:

Africano é internado em SP com suspeita de Ebola - Zombie Attack !!!



• Um homem que desembarcou no aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, na manhã de hoje, foi levado para o hospital Emílio Ribas, na Região Central da capital e está internado numa área isolada. O africano, cujo nome não foi revelado, passa por exames que podem revelar a contaminação pelo vírus Ebola... 

• As fronteiras entre Guiné, Libéria e Serra Leoa foram fechadas devido ao surto do vírus Ebola, que deixou mais de 700 mortos.A Organização Mundial de Saúde alertou que o Ebola pode provocar uma perda catastrófica de vidas e severos prejuízos econômicos, se continuar a se espalhar. 

0 Depoimentos: