Nova Reportagem do Livro Corporate Zombies !!!




Vejam e entrem para a Resistência !!

Edição (20) do programa faz mapeamento do estresse nas empresas, mostrando dicas de como identificar e se livrar dele; apresenta os ‘zumbis coorporativos’, que prejudicam a rotina de muita gente; e mostra as possibilidades de trabalho na internet, que podem unir diversão e rentabilidade. O programa Os Profissionais traz mensalmente informações sobre novas carreiras, ambiente de trabalho e profissões. Veja + em tv.mackenzie.br

0 Depoimentos:

Trabalhador brasileiro produz menos que o da Venezuela





Na América Latina, produtividade só supera a de bolivianos
POR LUCIANNE CARNEIRO
02/03/2015 6:00
 


RIO - Com a economia estagnada em 2014 e previsões de um 2015 recessivo, a preocupação com a produtividade do trabalho ganha espaço. No quesito, não temos muito o que comemorar. O Brasil está atrás não apenas dos países desenvolvidos, como da grande maioria de seus pares na América Latina. Só está melhor que a Bolívia. Em 2013, a produtividade do trabalho no Brasil correspondia a 17,2% daquela dos Estados Unidos, país considerado referência para o indicador. Na comparação com o México, a relação era de 52,6%, com a Argentina ficava em 58,91% e com a Venezuela, 68%.

VEJA TAMBÉM
Emprego com carteira tem 1ª queda em janeiro desde 2002
População desocupada cresce mais do que no auge da crise global
Desemprego sobe para 5,3% em janeiro, a maior taxa em 16 meses
Taxa sobe em 4 de 6 regiões e chega a 9,6% em Salvador
Renda do brasileiro foi de R$ 1.052 em 2014
O indicador — da organização americana The Conference Board e reunido pelo professor do Instituto de Economia da UFRJ João Saboia — reparte o Produto Interno Bruto (PIB, conjunto dos bens e serviços) por pessoa ocupada. Ou seja, o tamanho da economia dividido por seus trabalhadores. Aumenta-se a produtividade quando se produz mais com a mesma quantidade de recursos — seja de máquinas e equipamentos ou pessoas.

Isso é especialmente importante no momento em que a população brasileira está envelhecendo, com menos gente entrando para a força de trabalho nos próximos anos. Assim, é preciso que os trabalhadores se tornem mais produtivos para manter o mesmo nível de produção.

— Vamos muito mal em produtividade. Quando se compara com EUA e outros desenvolvidos, é um choque. O cenário também é muito ruim quando se compara com nossos vizinhos — diz Saboia.

Mais serviços, menos produtividade

Em 2013, o PIB por pessoa ocupada era US$ 19.833 no Brasil, alta de 11,9% frente a 2000, enquanto nos EUA a expansão foi de 19,33%. Na Argentina, o crescimento foi menor que o brasileiro, 5,6%, mas no Peru foi bem maior, de 56,5%. A Bolívia, na lanterna da América Latina, cresceu 16,4%.

O baixo nível de investimentos da economia é apontado de forma unânime por especialistas como uma das causas para a baixa produtividade. A falta de recursos — seja em infraestrutura, em inovação, e pesquisa e desenvolvimento — compromete a eficiência da nossa economia.

A taxa de investimento — relação entre o montante aplicado e o PIB — foi de 17,4% no terceiro trimestre de 2014, a pior para um terceiro trimestre desde 2002. Em 2013, era de 18,2%. No México, a taxa era de 24,02% em 2013, enquanto no Peru é de 26,5%. No Uruguai, é de 20%, segundo o site Economywatch.com.

— Estamos em uma situação de estagnação da produtividade. Patinamos enquanto outros países avançam. Uma economia que não consegue consolidar uma taxa de investimento expressiva não tem ganhos de produtividade — destaca o professor do Instituto de Economia da Unicamp Claudio Dedecca.

PUBLICIDADE


A situação é vivida pela fabricante de adesivos industriais Coladesi. Com a economia parada, o proprietário Ricardo Lopes diz que tem investido pouco:

— Não tenho investido em novas máquinas porque não espero retorno do capital. A troca seria por um equipamento que permitisse melhor acompanhamento dos processos.

A mudança no perfil da economia também influencia. A participação do setor de serviços tem avançado: passou de 66,7% em 2000 para 69,3% em 2013, segundo o IBGE. Já a fatia da indústria caiu de 27,7% para 25%.

— Em média, a produtividade do setor de serviços é mais baixa. A rotatividade dos trabalhadores também é alta, a legislação acaba estimulando isso, o que também não incentiva essa produtividade do setor — afirma Regis Bonelli, pesquisador de Economia Aplicada do Ibre/FGV.

Rotatividade dos trabalhadores também é problema para Beatriz Furtado de Mendonça, consultora de varejo e atacado. Ela destaca que o conhecimento da clientela é importante para as boas vendas e se torna mais difícil quando há troca-troca de funcionários:

— É comum encontrarmos candidatos despreparados nos processos de recrutamento, mas também há empresas que, após a contratação, não fazem um treinamento intensivo e, portanto, demitem e contratam com frequência.

A qualidade da educação é vista como outro entrave para a produtividade, apesar do avanço da escolarização. Dados da Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE mostram que a parcela da população ocupada com 11 anos ou mais de estudo saltou de 53,5% em 2003 para 68,7% em 2014.

— As pessoas estão estudando mais, mas aparentemente a qualidade (da educação) é baixa — diz Saboia.

Investimento em infraestrutura

O fato de a produtividade crescer pouco enquanto a renda aumenta trouxe um choque de custo para a indústria, diz o gerente de Economia e Estatística da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan), Guilherme Mercês:

— A produtividade não acompanhou o aumento de renda do trabalhador e isso afeta nossa competitividade. Prova disso é o saldo zero na balança comercial.

PUBLICIDADE


Diante de uma economia que não cresce, o fato de o desemprego estar baixo é uma mostra que a produtividade cai, segundo Saboia. Ainda há gente sendo absorvida no mercado de trabalho, porque os trabalhadores são “pouco produtivos”:

— A produtividade pequena explica porque mesmo com a economia crescendo tão pouco é possível absorver trabalhadores e termos taxa de desemprego baixa. Estamos numa encruzilhada complexa.

Para Regis Bonelli, não há “milagre a curto prazo”: assim como a deterioração da produtividade já ocorre há um tempo, não se espera que comece a melhorar mais rápido de uma hora para a outra.

0 Depoimentos:

O que você precisa saber sobre impeachment




Do UOL, no Rio


A série de manifestações convocadas via redes sociais para o próximo domingo (15) pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff coloca em questão esse instituto jurídico. Veja abaixo dez mitos e verdades sobre o processo de impeachment.

O que leva ao impeachment?

Para que o pedido de abertura de impeachment tenha consistência, devem existir provas de que o mandatário cometeu algum crime comum (como homicídio ou roubo) ou crime de responsabilidade –que envolve desde improbidade administrativa até atos que coloquem em risco a segurança do país, explicitados na lei 1.079.

O segundo colocado nas eleições assume?

Não. Segundo a Lei 1.079/50, caso o processo de impeachment seja julgado e considerado procedente, quem assume é o vice, no caso, Michel Temer (PMDB-SP), que permanece até o fim do mandato. Caso o vice também seja afastado ainda durante a primeira metade do mandato, serão convocadas novas eleições. Caso ele seja afastado a partir da segunda metade do mandato, as eleições são indiretas, no caso, apenas os membros do Congresso Nacional podem votar nos candidatos. Enquanto as eleições acontecem, quem assume é o terceiro na linha sucessória, o presidente da Câmara dos Deputados, atualmente o peemedebista Eduardo Cunha.

Qualquer pessoa pode pedir o impeachment do presidente?

Sim. Qualquer pessoa pode encaminhar ao Congresso Nacional uma denúncia de crime de responsabilidade, o que inclui políticos como parlamentares. No entanto, cabe ao presidente da Câmara dos Deputados julgá-la procedente e abrir uma comissão especial para analisar o pedido.

O pedido de impeachment pode ser feito via abaixo-assinado?

Não. A denúncia por crime de responsabilidade precisa ser feita por uma pessoa física e deve ser acompanhada dos documentos que a comprovem. No caso do impeachment do ex-presidente Fernando Collor, o processo durou cerca de sete meses, desde a instalação da comissão parlamentar mista de inquérito, em 1º de junho de 1992, até a renúncia de Collor, em 29 de dezembro de 1992.

Impeachment leva a uma nova eleição direta?

A única possibilidade de ocorrer uma nova eleição é se, além do presidente, o vice também for afastado ainda na primeira metade do primeiro mandato. Enquanto a eleição é convocada, no entanto, quem assume é o presidente da Câmara dos Deputados.

Impeachment pode ser decidido por voto popular?

Não. Quem recebe a denúncia e avalia se ela será transformada em processo e encaminhada aos parlamentares é o presidente da Câmara dos Deputados. 

CPI pode aprovar impeachment?

Não, a Comissão Parlamentar de Inquérito não tem o poder de decidir pelo impeachment. Quem recebe a denúncia e avalia se ela será transformada em processo e encaminhada aos parlamentares é o presidente da Câmara dos Deputados. 

Qual a diferença entre impeachment e cassação?

Impeachment é o processo que envolve a cassação do mandato de um político do Executivo, tornando-o inelegível por oito anos. Já a cassação envolve a perda do mandato e pode resultar na inelegibilidade, como nos casos em que o político é cassado com base na Lei da Ficha Limpa.

Pode ocorrer uma intervenção militar no país?

Segundo o artigo 142 da Constituição, "as Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem." Para a jurista e professora da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) Vania Aieta, especialista em direito constitucional, hoje não parece haver indícios de que as Forças Armadas teriam interesse em intervir no processo democrático do país. "Não há grandes lideranças militares e os quadros das Forças Armadas parecem mais preocupados com questões como o soldo e melhoria do padrão de vida." 

Quem pode determinar o impeachment?

O pedido de impeachment é avaliado pelo presidente da Câmara dos Deputados e, caso seja encaminhado aos parlamentares, precisa receber os votos de dois terços dos deputados da Casa para continuar. Depois o processo é levado para julgamento no Senado, e também precisaria da adesão de dois terços dos membros. A sessão é presidida pelo presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) e precisa ocorrer em até 180 dias depois que chega ao Senado, período pelo qual o presidente fica afastado do cargo e o vice assume. Se o julgamento não tiver sido concluído nesse prazo, o presidente volta às funções.

O que precisa haver de provas para se afastar um presidente?

Para a jurista e professora da Uerj (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) Vania Aieta, especialista em direito constitucional, há uma confusão entre insatisfação política e a real necessidade de um impeachment. "O processo democrático nem sempre agrada. A população confunde institutos jurídicos com a insatisfação", afirma. Além da necessidade de se provar que houve de fato crime de responsabilidade, ela lembra que a possibilidade de impeachment está intimamente ligada ao prestígio de que o presidente goza dentro do Congresso Nacional e do Senado. "Antes de qualquer coisa, o impeachment é uma decisão política dentro do universo jurídico", afirma. "A grande pergunta agora é se o Congresso tem interesse nesse processo."

0 Depoimentos: