Ação da Petrobras já custa menos que um chope no Rio



Papéis preferenciais estão no menor valor desde agosto de 2003
POR RENNAN SETTI


Referência da vida mundana, chopp está na casa de R$ 8, acima dos R$ 6,82 de um papel preferencial da petroleira - Angelo Antônio Duarte / Agência O Globo

RIO - A cada bicada na tulipa, desce pela goela da boemia carioca versada no léxico financeiro a expressão “custo de oportunidade”. É que, com a derrocada da Petrobras na Bolsa de Valores e uma inflação que poupa ninguém, muito menos frequentadores de botecos, uma ação da estatal já custa menos que o benchmark da vida mundana, o chope.

Ontem, o papel preferencial (PN, com direito a voto e favorita dos investidores pessoas físicas) da Petrobras caiu pelo quinto pregão seguido, recuando 2,15%, a R$ 6,82. O valor é o menor registrado desde agosto de 2003. Enquanto isso, a caldereta de chope no tradicional Cervantes de Copacabana está cotada a R$ 8, deixando espaço de sobra para cobrir as taxas de corretagem de quem decide abdicar da bebida em prol de um investimento na petrolífera brasileira.

Os bebedores com alguma visão retrospectiva se lembrarão que uma ação da Petrobras já teve cacife para bancar uma madrugada inteira regada a chope. Em maio de 2008, por exemplo, o papel da estatal atingiu o pico de R$ 52,51. Desde aquela época, 87% dessa cotação já evaporaram e, se a tulipa segue com o mesmo tamanho, todo habituéde pé-sujos e pé-limpos sabe que seu preço ficou bem mais amargo.

— Quando as ações da OGX caíram a R$ 1, a brincadeira entre os investidores era compartilhar fotos das moedinhas. Agora pode ser a hora de espalhar as fotos das tulipas de chope — brincou o carioca Maurício Pedrosa, estrategista da Queluz Asset Management.

ESCÂNDALO COM ACOMPANHAMENTOS

Segundo Pedrosa, uma conjunção de fatores explica a Petrobras ter caído tanto a ponto de valer menos que um chopinho. A companhia convive há quase dois anos com o escândalo de corrupção da Lava-Jato, que prejudicou sua imagem e levou à perda do grau de investimento por agências de rating.

A companhia também sofre com a desvalorização do petróleo do tipo Brent, que tombou à metade em 12 meses e vale agora por volta de US$ 47. Mais recentemente, a disparada do dólar multiplicou a dívida da empresa, da qual cerca de 70% estão denominados na moeda americana.
Outros modelos de comparação heterodoxos também depõem contra a Petrobras. O carioca que vai e volta do trabalho de ônibus, por exemplo, desembolsa diariamente R$ 6,80. Ou seja, basta que um dia surja uma carona amiga para que o passageiro tenha poupado o bastante para se tornar investidor da outrora gigante brasileira — se tiver, é claro, mais dois centavos na carteira para inteirar a diferença, verdade seja dita.

Mas se o aplicador considerar estapafúrdias comparações com itens que nada têm a ver com a Petrobras, estão aí os postos de gasolina para reforçar a hipérbole. Segundo pesquisa da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o preço médio do litro da gasolina no município do Rio é de R$ 3,46. Supondo que um carro popular consegue percorrer 10 Km com um litro, um passeio entre o Maracanã e o shopping Fashion Mall já custa para o motorista mais do que uma ação da estatal...

Postar um comentário

0 Depoimentos: